PAISAGENS DO SERIDÓ

Monte das Graças










A história do monte de Nossa Senhora das Graças teve sua origem no sonho de um frade italiano de nome Otávio em 1946, o qual sonhou com uma cidade no alto sertão, onde dizia existir uma menina santa, num dos montes da cidade de Florânia, um milagre.

O sonho falava que numa época de grande seca na região, a menina que viajava com os pais retirantes, afastou-se deles perto do monte, entretendo-se na procura de frutas de cardeiro, um cacto muito abundante no local, para alimentar-se, como não soube mais voltar morreu de fome e sede no alto da serra.

O frade veio procurar o monte, que no sonho tinha como marco uma cerca cortando-a ao meio, justamente a divisa das terras dos fazendeiros João da Mata Toscano e Francisco Assis do Amaral, outro sinal era uma frondosa umburana, em cujo tronco, a menina – santa estava enterrada até a cintura com uma fruta de cardeiro na mão.

Ao chegar a cidade o frade Otávio procurou o vigário Ambrósio Silva e pediu-lhe apoio. Este acompanhou-o até o local, juntamente com o sacristão Abílio Córdula. Assim que achou, o frei enrolou a menina santa num manto.

Decorrido algum tempo, chega a cidade o corpo da menina santa que aparentando ter sete anos de idade achada pelo frade. Com a chegada do corpo, a cidade toda correu extasiada, o povo queria comprovar, observando se a menina-santa parecia com seus familiares, outros até queriam furar o corpo da menina-santa com alfinetes para saber se sangrava.

Devido a vários tumultos os Padres acharam por bem enviar a dita imagem para um local desconhecido.

Conta a Sra. Da Guia de Florânia que a menina realmente existiu e ela própria pode constatar a sua existência logo após seu corpo ter sido levado à igreja matriz, diz também que seu achado se deveu ao forte cheiro que a umburana exalava, o que atraiu a atenção para o local. Ela descreve que a menina estava em perfeito estado, assim como o seu corpo. Fala ainda que a Menina ficou por muito tempo escondida na casa paroquial. Ela ainda afirma que os milagres atribuídos a menina são verídicos.

Em 1998 no cinquentenário da festa do Santuário das Graças foi encontrada a imagem da santa-menina em meio aos objetos do Cônego Estanislau Piechel em sua residência, onde foi exposta no local do Milagre, e encontra-se até hoje. No local do aparecimento do milagre foi escolhida para ser cultuada a imagem de Nossa Senhora das Graças.

O frade Otávio antes de voltar aconselhou o dono das terras, no caso o Sr. João da Mata Toscano, a construir uma capela no local do milagre. Para o trabalho de construção da capela toda a comunidade colaborou, como não existiam estradas para o local, o material usado foi usado pelos romeiros que incansavelmente subiam varias vezes ao local, levando telhas, tijolos e outros material. Pessoas da época contam que as veredas que davam para o monte mais pareciam formigueiros, de tanta gente subindo e descendo o local.

A referida árvore de Umburana onde foi encontrada a menina santa, serviu de ponto de partida para a comprovação dos milagres ocorridos no local.

Esta árvore exalava um perfume santo, daí as pessoas passaram a utiliza-la como remédio, usando as suas folhas e cascas para curar doenças, mediante votos feitos pelos fiéis.

A utilização desta umburana teve uma repercussão tão abrangente, que com o decorrer do tempo foi destruída. Hoje dela só resta parte do seu tronco como relíquia santa e marco religioso, o mesmo está preservado dentro de uma dependência denominada “casa dos milagres”, destinada a guardar objetos trazidos pelos romeiros, representando votos feitos pela população religiosa.

Em 07 de dezembro de 1947, foi celebrada a 1ª missa pelo Cônego Ambrósio Silva, no monte de Nossa Senhora das Graças sob a umburana. Prosseguida a construção da capela ao ser concluída foi celebrada a 1ª missa em 07 de Dezembro de 1948, a partir de 1949, a festa de Nossa Senhora das Graças ficou sendo festejada a 27 de Novembro, por este dia de ação de Graças até nossos dias a data da festa e preservada.

Constantemente, as pessoas seguem em romarias para pagar promessas e fazer orações no alto do monte, soltam fogos, rodeiam a capela de joelhos, rezam novenas e outras manifestações de fé. O saudoso Padre José Dantas Cortez, incentivou muito as romarias para o monte das graças, celebrando missas, retiros, novenas, reuniões ou prestando serviços e melhoramentos no santuário.

A fé do povo não tem fronteira. Quanto mais tempo passa, é retratada através de fatos e graças alcançadas. Atualmente, o Monte encontra-se muito bem estruturado para romarias e peregrinações com um centro de treinamento e reflexões, as estações, estrada calçada, um horto, a gruta de Nossa Senhora de Lourdes, local para celebrar missas campais, eletrificação e água encanada.

O monte de Nossa Senhora das Graças não é apenas uma das ilustres páginas da história de Florânia, como também é referenciado e enaltecido como ponto turístico da cidade e do RN.

Monte das Graças
Florânia / RN - Região do Seridó


Foto: (2) Edson Dantas /(3) Cinthia Alves / (4) Chico Costa / (1)(5) A/D - Arquivo OpenBrasil.org
Paisagens do Seridó - OpenBrasil.org

Postagens mais visitadas

Castelo Di Bivar

Vaqueiros do sertão

Cachoeira da Vaca